9 de março de 2014

O veneno do vazio

O Papa Francisco não se cansa de chamar a atenção dos jovens, mas também daqueles que são responsáveis pelo seu futuro. Nos dias passados, quando recebeu no Vaticano os membros da Pontifícia Comissão para a América Latina, voltou a insistir no cuidado das crianças e dos jovens. Recordamos que a América Latina, em sua grande maioria é formada por jovens que vivem o presente com o olhar e esperança no futuro. Nas suas palavras improvisadas, Francisco recordou um ensinamento básico que educar não é somente transmitir conhecimento. E neste ensinamento colocou a transmissão da fé. Sim porque se a mesma for feita unicamente através da passagem de conteúdos, será superficial ou ideológica. A fé não terá raízes se não for acompanhada de comportamentos e de valores.

Nesta transmissão é necessário criar o hábito de uma conduta para favorecer a acolhida de valores. E o Papa citou então três pilares para essa transmissão: utopia, memória e discernimento. Chama a atenção esses pilares, essa visão do Papa que vai buscar no seu passado como pastor em Buenos Aires a inspiração para chamar a nossa atenção para o que podemos e devemos fazer pelos nossos jovens.

A utopia, que para muitos pode parecer negativa, no sentido de algo irrealizável, é evidenciada como um projeto, uma riqueza para o jovem, pois “um jovem sem utopia é um velho precoce”. A utopia olha para o futuro.

No que diz respeito à memória e ao discernimento o Papa afirma que a memória olha para o passado e o discernimento é o presente. O jovem deve receber a memória e plantar as raízes da sua utopia nesta memória; e assim discernir no presente a sua utopia. Discernir no presente, analisar a situação, é já estar projetando o futuro.

O Papa Francisco traz o seu pensamento para o momento em que vivemos, para a nossa sociedade que está se acostumando com vários vícios e criando novas culturas, como a “cultura do descarte”. Em muitas ocasiões falou da especificidade da sociedade moderna em deixar de lado, de cancelar, excluir aqueles que não produzem, aqueles que “somente consomem”, que são vistos como empecilhos para o desenvolvimento. Tudo sintetizado num pensamento econômico.

Mas nesta cultura do descarte também o jovem é atingido, pois no centro “está o deus dinheiro e não a pessoa humana”. Portanto, tudo aquilo que não entra nesta ordem, se descarta. “Descartam-se as crianças que sofrem, que incomodam e que não convém que nasçam, descartam-se os idosos. Hoje também os jovens fazem parte deste material de descarte. Assim, o jovem que se encontra sem trabalho – mal dos nossos tempos - “anestesia a sua utopia”. A utopia de um jovem cheio de entusiasmo está cada vez mais se transformando em desencanto. E o convite do Papa: “é preciso dar fé e esperança aos jovens desencantados.

Creio que ninguém tem dúvida de que o Papa que veio “do fim do mundo” agrada aos jovens do mundo inteiro, sejam eles católicos ou não. Isso pudemos constatar no Rio de Janeiro, no ano passado, durante a JMJ. O coro foi uníssono: “ele é um de nós”.

A juventude não vê no Santo Padre um Super-homem, uma estrela de cinema, alguém que está recitando a sua parte como um ator, mas sim alguém que está como eles, e se sentem fascinados pela sua simplicidade, pelos seus gestos e palavras. É alguém que apesar da idade, como um avô, os compreende, mas ao mesmo tempo é exigente, chama a atenção para as armadilhas do mundo, do provisório, exorta a buscar o que permanece, o que é essencial para a vida.

Francisco insiste sempre com os jovens para que busquem a fé como um antídoto para combater “o veneno do vazio”, da não utopia, do ter em detrimento do ser, do consumismo. Os jovens são sensíveis aos apelos do Papa e aos seus chamados a conservarem valores. O Santo Padre não se poupa em reafirmar que é absurdo basear a própria felicidade nas coisas materiais, no ter. “A verdadeira riqueza, - diz - é o amor de Deus partilhado com os nossos irmãos”.

Silvonei José Protz
Colunista do Blog Evangelizando. (+ artigos)
Diocese de Roma (Itália). Doutor em comunicação e professor universitário em Roma. Jornalista da Rádio Vaticano: "a voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo".

2 comentários:

Postar um comentário

Atenção: Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog evangelizarr.blogspot.com.br - Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário que julgarmos inoportuno ou que não esteja de acordo com a política do blog.

Todos os Direitos Reservados. Tecnologia do Blogger.